conecte-se conosco


Economia

Ações da Eletrobras sobem quase 5% após TCU aprovar privatização

Publicado

source
TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3)
Agência Brasil

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3)

Os papéis da Eletrobras apresentam alta após o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovar o processo de privatização da empresa na quarta-feira (18). Por volta de 10h30, as ordinárias (ELET3, com direito a voto) subiam 4,70% e as preferenciais (ELET6, sem direito a voto), 4,37%.

No exterior, as ADRs, recibos de ações, da empresa subiam 3,29%, negociadas a US$ 8,78 no pré-market de Nova York.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Agora, o governo deseja protocolar já na próxima semana a operação de aumento de capitais na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e na Securities and Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado acionário americano.

Apesar do otimismo do Executivo, ainda há uma batalha burocrática e de tempo a ser vencida. Analistas que alertam que a proximidade das eleições e do período de férias no Hemisfério Norte podem diminuir o interesse por parte do investidor estrangeiro.

Dólar cai

O dólar, por sua vez, opera com queda ante o real no início desta quinta-feira. No exterior, o sentimento de cautela e menor aversão ao risco segue prejudicando os mercados acionários, com os investidores preocupados com os impactos da inflação global e da resposta dos bancos centrais para combatê-la sobre a economia. No pregão, eles avaliam a ata da última reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE).

Por volta de 10h30, a moeda americana tinha baixa de 1,12%, negociada a R$ 4,9249.

No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,10%, aos 106.358 pontos. Na véspera, os mercados já havia sentido um forte tombo após os balanços de empresas do varejo americano, como o Walmart e Target, alertarem para pressões de custos crescentes, o que eleva os temores dos investidores sobre o aumento da inflação.

“Pesam sobre a avaliação de riscos as incertezas com os desdobramentos da guerra na Ucrânia, com a política de combate à Covid na China e com as persistentes pressões inflacionárias e seus impactos sobre a condução da política monetária no mundo”, destacaram analistas do Bradesco, em boletim matinal.

BCE: Inflação preocupa

Os dirigentes do BCE expressaram preocupação com a inflação generalizada na ata da reunião de 14 de abril, quando o banco manteve as taxas de juros inalteradas.

O BCE confirmou na reunião os planos de encerrar um programa de compra de títulos no terceiro trimestre, mas manteve um tom sem compromisso em relação ao aumento dos juros.

O documento sinaliza que há divergências sobre o ritmo de elevações dos juros rumo a uma política monetária mais dura.

“As compras líquidas de ativos devem ser encerradas o mais rápido possível, abrindo a possibilidade de um primeiro aumento da taxa de juros logo depois. Foi expressa a opinião de que os critérios para aumento das taxas de juros já foram claramente atendidos”, destacou o BCE.

Desde a reunião, alguns formuladores de política monetária que falaram publicamente estão agora apoiando um aumento da taxa de juros em julho, o primeiro aumento do BCE em mais de uma década. E muitos estão pressionando para elevar sua taxa de depósito para território positivo este ano. Atualmente, está em -0,5%. A próxima reunião está marcada para 9 de junho.

Petróleo cai

Os preços dos contratos futuros do petróleo apresentavam queda pela manhã.

Por volta de 09h15, no horário de Brasília, o preço para o contrato de julho do petróleo tipo Brent caía 0,92%, negociado a US$ 108,11, o barril.

Já o preço para o contrato de junho do tipo WTI cedia 1,58%, cotado a US$ 107,86, o barril.

Bolsas no exterior

Na Europa, as bolsas operavam com baixas. Por volta de 09h, em Brasília, a Bolsa de Londres caía 2,10% e a de Frankfurt, 1,54%. A Bolsa de Paris cedia 1,75%.

As bolsas asiáticas fecharam com direções contrárias. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, caiu 1,89%. Em Hong Kong, houve baixa de 2,54% e, na China, alta de 0,36%.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Cuiabá encerra a semana com 855 vagas de emprego com salários de até R$ 7 mil; veja funções e benefícios

Publicado

Para quem busca uma oportunidade no mercado de trabalho, o Sine Municipal, coordenado pela Secretaria de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, disponibilizou nesta sexta-feira (19), mais de 850 vagas de emprego em diversas áreas de atuação.

As oportunidades são para os cargos de: agente de vendas de serviços, ajudante de obras, analista de planejamento financeiro, atendente de balcão, auxiliar de limpeza, balconista de açougue, borracheiro, carpinteiro, conferente de carga e descarga, eletricista, eletrotécnico, engenheiro civil, garçom, gerente comercial, motorista de caminhão, operador de caldeira, serralheiro, técnico de edificações, vendedor interno, entre outas vagas.

Para se candidatar basta baixar o aplicativo “Sine Fácil” ou acessar a página virtual do Emprega Brasil (empregabrasil.mte.gov.br). O candidato pode ainda se dirigir a unidade do Sine no Coxipó ou no Shopping Popular, com os documentos pessoais.

Nesta sexta-feira, a van do Sine da Gente, que integra o programa Pra Frente Cuiabá, leva atendimento aos moradores do bairro Altos do Parque. A equipe se posiciona no espaço da EMEB Clóvis Hugueney Neto, localizada na Avenida I, Quadra 21, Lote 30, oferecendo os serviços de encaminhamento de vagas de emprego, Carteira de Trabalho Digital e orientação no Seguro de Desemprego, das 9h às 12 e 13h às 16h.

Canais de atendimento Sine Municipal de Cuiabá:

Sine Shopping Popular: das 9h às 17h

Telefone e Whatsapp: (65) 3664-1503/ 99251-7480

Sine Coxipó: das 7h às 17h

Telefone e Whatsapp: (65) 3675-3113/ 99337-2799

Sine da Gente (Sine móvel): toda semana em um bairro diferente de Cuiabá.

Os empregadores que desejarem anunciar suas vagas no Sine podem entrar em contato pelos telefones (65) 3645–7216 ou (65) 3645-7237, pelo whats (65) 99255–2450 ou pelo e-mail [email protected].

PLANILHA DE VAGAS 19-08-2022

Continue lendo

Economia

Prosus adquire controle total do iFood por cerca de R$ 9,4 bilhões

Publicado

Prosus adquire controle total do iFood por cerca de R$ 9,4 bilhões
Sophia Bernardes

Prosus adquire controle total do iFood por cerca de R$ 9,4 bilhões

A gigante holandesa Prosus, controladora da Movile, fechou um acordo para adquirir os 33,3% restantes de sua participação no iFood, que pertencia ao acionista minoritário Just Eat Holding Limited. Com o negócio, a empresa passa a deter controle do total da plataforma de delivery brasileira.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O acordo prevê o pagamento de € 1,5 bilhão em dinheiro mais uma contraprestação contingente de até € 300 milhões, também em dinheiro. Esse valor adicional pode ser pago a depender dos resultados do iFood nos próximos 12 meses.

A aquisição consiste na venda pela Just Eat de ações representativas de 33,3% do iFood e da IF-JE Holdings BV, que em conjunto detêm o negócio iFood. Como parte da transação, a Just Eat também adquirirá, sem contraprestação adicional, a participação de 49% da IF-JE Holdings BV na empresa espanhola El Cocinero a Cuerda SA.

A transação ainda está sujeita à aprovação de acionistas da Just Eat Takeway.com NV, da qual a Just Eat é subsidiária.

A Prosus investiu pela primeira vez no iFood por meio da Movile em 2013. A holandesa tem forte presença no mercado de delivery, com um portfólio que inclui o iFood na América Latina, Swiggy na Índia e Delivery Hero, que está presente em mais de 50 países.


Fonte: IG ECONOMIA

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana