conecte-se conosco


Nacional

A história do dragão na garagem

Publicado

Dragão na garagem reflete a necessidade de dados na ciência arrow-options
Friedrich Johann Justin Bertuch

Ilustração de 1806

Conheci essa história com o grande astrônomo e divulgador Carl Sagan.

Imagine que um vizinho vem te dizer, “Cara, você não vai acreditar, mas tem um dragão na minha garagem!”

“Uau, sensacional!”, respondo. “Posso ir lá ver?”

“Puxa, infelizmente, ele é invisível.”

Que decepção, né.

“Tudo bem, então deixa eu sentir o hálito dele pra ver se tem cheiro de enxofre mesmo.”

“Ah, mas ele também não tem cheiro.”

Começo a ficar bastante decepcionado.

“Ok, então pelo menos deixa eu passar a mão nele para sentir como são as escamas.”

“Só que esse dragão é intangível.”

A essa altura, desisto e mando meu vizinho catar coquinho.

Para todos os efeitos, esse dragão não existe. Não importa se meu vizinho está mentindo ou não, porque não tenho como verificar o que ele está dizendo.

O mesmo vale para o método científico. É muito difícil dizer que estamos tentando encontrar a verdade absoluta do Universo, já que não temos como ter certeza.

Isaac Newton estava certo por centenas de anos ao dizer que corpos no espaço se atraem mutuamente. Até que um tal de Albert Einstein, no século XX, chegou e disse que na verdade os corpos deformam o espaço-tempo ao seu redor.

Pode parecer uma loucura, e seria se os dados não demonstrassem que a teoria de Einstein estava correta. Os dados transformaram uma ideia excêntrica na nova “verdade” — ou pelo menos no novo paradigma científico para a gravitação universal. Até que um novo modelo e novos dados mostrem algo que Einstein não previu.

Para crer em algo como verdade científica, precisamos dos dados para suportar nossas hipóteses. Não importa se quem fala é um gênio ou um excêntrico, nossas afirmações sempre carecem de verificação experimental, algo que qualquer um possa usar para falsificar ou confirmar o modelo.

O mesmo deve valer para políticas públicas. Governantes devem se apoiar em evidências científicas para guiar suas ações. Sem os dados, não há como estabelecer parâmetros no que diz respeito a temas como o aquecimento global ou os incêndios na Amazônia.

Sem os dados, estamos à mercê deste ou daquele grupo ideológico que pode criar suas próprias verdades.

Acompanhe o colunista no Twitter

Leia mais: a ciência brasileira em perigo

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Qualidade do ar melhor em São Paulo nesta terça com previsão de chuva

Publicado


source
sp
Rovena Rosa/Agência Brasil

Previsão do tempo para São Paulo é de dia frio


Tempo nublado e chuvas durante todo o dia marcam a previsão do tempo desta sexta-feira (7), na capital paulista. A temperatura volta a esfriar. O Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) divulgou que a mínima será de 13ºC e a máxima de 19ºC.

Leia também:Tubarão ataca pescador em caiaque no Havaí; assista

Deve garoar durante todo o dia, mas sem previsão de chuvas intensas. A umidade do ar em São Paulo oscila entre 65% e 95%.

Continue lendo

Nacional

Justiça determina quebra de sigilo bancário da Backer

Publicado


source
backer
Divulgação

A cervejaria Backer, muito conhecida em Minas Gerais, ganhou notoriedade nacional após consumidores da cerveja serem intoxicados e hospitalizados


A Justiça determinou a quebra de sigilo bancário da cervejaria Backer referente aos últimos 12 meses. A decisão partiu da 23ª Vara Cível de Belo Horizonte atendendo um pedido do Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG). Para o MPMG, os sócios da Backer podem estar ocultando patrimônio , fazendo a transferência de propriedade, uma vez que existe uma ação judicial contra eles.


Para o Ministério Público, a alienação de imóveis indicava não só conduta em desacordo com a boa-fé objetiva material e processual, mas também poderia permitir “o reconhecimento da fraude e do cometimento de ato atentatório à dignidade da justiça, máxime, quando se trata de tutela coletiva”.

A cervejaria Backer, muito conhecida em Minas Gerais, ganhou notoriedade nacional após consumidores da cerveja serem intoxicados e hospitalizados, no início do ano. A substância tóxica encontrada na cerveja matou ao menos sete pessoas e levou dezenas de outros consumidores ao hospital.

Segundo investigações da Polícia Civil, vazamentos em equipamentos e o uso de substâncias tóxicas que não deveriam ser empregadas causaram a contaminação de diversos lotes de diferentes tipos de cerveja produzidos pela empresa.

Caixas em terreno baldio

Na última sexta-feira (10), a Polícia Civil de Minas Gerais encontrou 34 caixas de cervejas da Backer, do lote contaminado , em um terreno baldio no bairro Buritis, em Belo Horizonte. A polícia chegou ao local após uma denúncia. O material foi recolhido e os fatos estão sendo apurados pela polícia.

“O delegado Flávio Grossi ressaltou que esse tipo de descarte pode provocar riscos à saúde pública se o produto for consumido, uma vez que o material encontrado está entre os lotes de cerveja onde o dietilenoglicol foi identificado”, informou a polícia, em nota.

Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana