conecte-se conosco


Opinião

ALFREDO DA MOTA MENEZES – Por que o combustível está caro?

Publicado

O preço do combustível cresce e isso influencia na inflação. Esse aumento leva até a comparação com o que ocorre em outros países. Aliás, muita gente do Brasil, que vive perto da fronteira, tem ido abastecer carro na Argentina ou Paraguai. Por que lá a gasolina seria mais barata?.

No caso da Argentina são citados vários fatores, mas se dá ênfase a três deles. Um, impostos menores sobre combustível que no Brasil. Dois, o real é mais valorizado que o peso argentino.

Um real vale 18 pesos. Três, o governo congelou o preço dos combustíveis. No Paraguai a diferença do preço estaria nos impostos, muito mais baixo que no Brasil. Também o câmbio, real e guarany, favorece encher o tanque lá.

Outro aspecto levantado parte de uma pergunta geral: se o Brasil é autossuficiente em petróleo, por que o combustível estaria atrelado à alta do dólar? Se este sobe, o combustível também. Se o país tem petróleo porque ir lá fora comprar petróleo em dólar?

O Brasil é mesmo autossuficiente em petróleo, mas o que se extrai aqui é o chamado petróleo pesado, dizem os especialistas. Nossas refinarias foram construídas para industrializar ou refinar o petróleo leve. Por isso se importa o petróleo leve, principalmente do mundo árabe. Esse petróleo, antes da pandemia, custava cerca de 40 dólares o barril, agora custa 80 dólares. Se compra esse petróleo em dólar que está amarrado às oscilações cambiais.

O petróleo pesado, do qual o Brasil extrai muito, é praticamente exportado. Teve ano do Brasil exportar mais de 400 milhões de barris de petróleo pesado e importar outros milhões de barris do leve. Se for isso mesmo, a coisa só mudaria se trocar o tipo de refinaria que se tem no país.

Bolsonaro falou em privatizar a Petrobras. Não adiantaria nada, mostram as análises. Na mão da iniciativa privada, iria, como agora, na busca de lucros para seus acionistas. E, se não mudar as refinarias, se teria que fazer a mesma coisa que se faz hoje, buscar petróleo leve no exterior e exportar o pesado.

Falou-se também em criar um fundo para sair dali recursos para amenizar altas que viessem pela frente. Seria tirar dinheiro de um lugar para outro. No final quem paga tudo é o mesmo Brasil. Não falaram mais nisso.

Outra “saída” seria conter o aumento do preço do combustível, como fez Dilma Rousseff durante seu governo. Foi um desastre, mostram os números e a realidade daquele momento. A Petrobras teve um prejuízo de cerca de 80 bilhões de reais que foi custeado de outra forma pelo próprio país.

Isso, entre outras manipulações na economia, ajudou a eleger a Dilma, mas trouxe drásticas consequências econômicas. Veio a maior recessão da história em 2015 e 2016 que ajudou no impeachment dela. Bolsonaro iria por aí também?

Alfredo da Mota Menezes é analista político.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

ANDERSON NOGUEIRA – Tecnologia como aliada dos pets

Publicado

Um tema que comumente aparece nas redes sociais e nos aplicativos de mensagem como pedido de ajuda é quanto ao desaparecimento de animais domésticos. Os pets se perdem por inúmeros fatores, incluindo incidente na hora do tutor sair de casa, falta de dispositivos de segurança adequados ou até mesmo em um ato de violência, a exemplo roubo ou furto.

Quem já teve um animal desaparecido conhece o tamanho do desespero. Isso porque, não importa o tamanho do engajamento para localizar o pet, há casos em que não há solução.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), apontam que o Brasil tem mais de 30 milhões de animais nas ruas, sendo aproximadamente 20 milhões de cães e 10 milhões de gatos. Dentro desta estatística somam-se os que nasceram nas ruas e, boa parte deles, foi abandonada ou se perdeu e nunca mais foi encontrada pelos tutores.

Uma das maneiras de evitar o sumiço do animal é colocar a identificação na coleira do pet. E para isso, a tecnologia é uma aliada. Em Cuiabá, já tem disponível esta ferramenta, por meio da Tag QR Code, que serve como localizador do animal.

Por meio desta ferramenta é possível inserir dados do pet (nome e informações vacinais) e do dono (contato telefônico). A coleira especial serve para cães e gatos e o encaixe da coleira é seguro e não sai com facilidade.

De posse do registro do tutor e do pet, a coleira está apta para marcar a geolocalização do animal (informações geográficas) e, em caso de desaparecimento, o proprietário é notificado se alguém acessou informações contidas na ferramenta. Todo o histórico da saúde do animal, consultas, vacina, cirurgia, dentre outras informações, ficam registrados na ferramenta.

A leitura da Tag de QR Code pode ser feita por qualquer dispositivo apto para esta tecnologia. E o melhor de tudo, essa ferramenta é acessível e proporciona mais segurança para os animais e os tutores.

Anderson Nogueira é médico veterinário há mais de 15 anos e atende na Clínica Veterinária Mato Grosso. 

 

 

Continue lendo

Opinião

VANESSA MORAES – O que favorece minha saúde auditiva?

Publicado

Alguns hábitos que envolvem a saúde auditiva são mais simples do que podemos imaginar. Porém, eles devem ser diários!

Seguem alguns para já colocarmos em prática desde já:

– Monitore os volumes dos sons da TV, da música, nunca deixando as pessoas ao seu redor escutar o som de seus fones. Limite o tempo de uso, quanto maior o volume, menor deverá ser  tempo de exposição;

-Faça a limpeza correta de seus ouvidos: com o dedo e uma toalha. O uso de cotonete é indicado para limpeza do nariz;

– Utilize protetor de som quando tiver que se expor a ambientes com ruídos excessivos. Isso até pode ser considerado um exagero, mas até mesmo uma exposição esporádica pode matar a célula auditiva;

-Faça os tratamentos adequadamente para infecções, otites, gripes até o final. Quando mal curadas podem levar a perda auditiva e também a outras complicações;

-Evite ficar muito tempo ao telefone, não somente pela intensidade do som, como também pelas ondas eletromagnéticas emitidas pelo aparelho que causam risco à saúde;

-Realize consultas periódicas com um otorrinolaringologista. Desconforto como zumbido e diminuição da audição merecem uma avaliação mais precisa.

-Alimente-se de forma saudável de 4 a 6 vezes por dia e evite o excesso de cafeína e alimentos muito doces ou muito salgados. Tome bastante água e pratique atividade física regularmente. As vitaminas B12, B9, A, C e E encontradas em alimentos saudáveis são essenciais para a manutenção da acuidade auditiva;

-Rejeite medicamentos sem prescrição. Alguns são prejudiciais e seu uso indiscriminado pode levar a perda auditiva irreversível como também ser nocivo à saúde do corpo em geral;

-Tenha momentos de silêncio. Possibilite descanso aos seus ouvidos. O ideal é que esses “repousos sonoros” sejam feitos de 1 a 2 vezes por dia.

As lesões auditivas ocorrem de maneira lenta e gradual e muitas vezes podem ser irreversíveis. Por isso, ao menor sintoma, faça um exame de audição.

Vanessa Moraes é audiologista – @fonovanessamoraes

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana