conecte-se conosco


Economia

5 erros comuns na hora de fazer empréstimo

Publicado

A nossa primeira reação em uma emergência financeira é procurar por um empréstimo rápido . É nesse momento de desespero que muitas pessoas podem cometer erros comuns, que as farão se arrepender por pegar dinheiro emprestado.

Erros ao contrair empréstimo
FreePik

Erros ao contrair empréstimo

Sem o cuidado para solicitar um empréstimo , algumas pessoas acabam ainda mais endividadas, escolhem os empréstimos mais caros para seu bolso, e até mesmo caem em golpes de criminosos. Ou seja, ao invés de resolver o problema, a pessoa cria outros e perde muito dinheiro.

Ficar atento aos 5 erros mais comuns na hora de procurar um empréstimo pode evitar uma grande dor de cabeça e fazer com que você economize dinheiro na escolha. Acompanhe!

1. Não comparar o empréstimo

A taxa de juros dos empréstimos variam de acordo com o banco ou financeira escolhida pelo consumidor. Para você ter uma noção essa taxa pode variar de 1,5% até 12% ao mês. O custo do empréstimo é afetado diretamente pela sua taxa de juros, o que vai influenciar no seu orçamento e pesar bolso. A Taxa Selic, também é a grande vilã (ou não) para conseguir dinheiro emprestado.

Por isso, não deixe de comparar os empréstimos de diferentes instituições financeiras antes de assinar um contrato. Existem alguns  sites confiáveis na internet que oferecem a ferramenta gratuita para a comparação de taxa de juros e prazos para pagamento do empréstimo, como a Financer.com.

2. Pedir um valor maior do que é necessário

O empréstimo é uma obrigação de longo prazo com a instituição financeira. Por isso, é importante que o consumidor analise a sua situação com cautela para ter certeza da necessidade de fazer um empréstimo e da quantia a ser solicitada.

Há situações em que fazer o empréstimo é a única solução para resolvermos um problema. Mas, em outros casos o crédito pessoal não deve ser priorizado antes de avaliar outras alternativas e o valor do dinheiro realmente necessário.

Pode ser tentador solicitar um valor maior de empréstimo, mas lembre-se que quanto maior a quantia, maior será o pagamento, o prazo e a taxa de retorno que você deve ao banco.

Desta forma, diminuir as despesas mensais, fazer dinheiro extra, pedir um aumento, podem ser soluções mais vantajosas e, no caso da necessidade real do dinheiro emprestado, evitar cometer o erro de pedir mais dinheiro do que é necessário.

3. Não analisar as condições contratuais do empréstimo

Na maioria das instituições financeiras o consumidor pode fazer uma simulação de empréstimo em seu próprio site. A simulação de empréstimo demonstra quanto a concessão do crédito custará para o cliente. O que poucos se atentam é que essa simulação é feita com base nas menores taxas de juros, e pode ser diferente na hora de assinar o contrato.

A análise de crédito é feita antes da concessão de crédito para um indivíduo. Nessa análise de crédito a instituição financeira vai calcular o risco de inadimplência de cada pessoa. Dependendo do tamanho do risco, as taxas de juros estabelecidas serão maiores. Infelizmente, isso faz com que muitas pessoas sejam pegas desprevenidas.

Tenha em mente qual o tipo de condição de empréstimo mais vantajoso para você. Talvez um prazo de pagamento de 3 anos possa parecer mais interessante do que de um ano em primeiro momento, mas ao fim você pagará mais pelo contrato. Analise o impacto do prazo de pagamento em seu bolso em médio e longo prazo e sempre leia o contrato antes de fechar qualquer acordo.

4. Não fazer um planejamento financeiro

Infelizmente, poucas pessoas levam em consideração a capacidade financeira para honrar as parcelas do empréstimo, o que pode piorar a situação financeira de quem pediu o dinheiro emprestado. Então, planeje-se antes de qualquer decisão.

Seja verdadeiro com seu orçamento e planeje-se de acordo com a sua situação atual, considerando inclusive possíveis contratempos. Se possível, construa uma planilha de gastos e metas para o futuro.

Sendo assim, não espere até as faturas chegarem para pensar sobre a sua capacidade de pagamento. Faça um orçamento financeiro realista de sua situação, e analise se a despesa de um empréstimo cabe em seu orçamento mensal. É importante lembrar que, dependendo do período de pagamento, a dívida pode se estender por 36 meses ou mais.

Confira dicas para não errar na hora de pegar dinheiro emprestado
Estoa Research

Confira dicas para não errar na hora de pegar dinheiro emprestado

5. Pagar valor adiantado para liberar empréstimo

Aqui vai uma dica valiosa! Pedir valor adiantado para liberação de empréstimo é golpe, crime! Isso é proibido por lei.

Os criminosos utilizam da internet para enganar pessoas que estão procurando por empréstimo online, fazendo contato pelo WhatsApp e outros aplicativos de mensagem. Esses criminosos se passam por instituições financeiras para levar o indivíduo ao erro e, portanto, é recomendado que apenas solicite o empréstimo na plataforma oficial da instituição e, em hipótese alguma, deposite dinheiro antecipado.

Nenhuma instituição financeira solicita um depósito antecipado para a concessão de um empréstimo. Se você recebeu uma proposta de crédito em que você deve fazer um depósito antecipado, pode ter certeza que trata-se de um golpe. Então fuja disso e denuncie sempre que possível.

6. Não pesquisar diferentes tipos de crédito

Existem diversos tipos de modalidade de empréstimo disponível no mercado com diferentes requisitos e objetivos. Para saber saber o que precisa para fazer um empréstimo com segurança, primeiro você deve entender a sua necessidade.

Um erro comum entre os brasileiros é não pesquisar a variedade de modalidades de empréstimo, seus requisitos e suas características particulares. O empréstimo pessoal , por exemplo, é mais fácil e rápido de ser solicitado do que o empréstimo para refinanciamento de imóvel. O valor do crédito pessoal liberado pode ser utilizado para o que o solicitante desejar, enquanto o crédito de refinanciamento de imóvel necessita de documentações comprovando o valor e a compra de determinado imóvel.

Deixando claro que, a modalidade de empréstimo escolhido não apenas influencia na burocracia e chances de aprovação do empréstimo, mas também na taxa de juros.

Seguindo essas dicas de como evitar os 5 erros mais comuns na hora de fazer empréstimo , você pode solicitar o dinheiro que precisa com segurança e garantir uma maior liberdade financeira.

Fonte: IG ECONOMIA

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Dólar sobe para R$ 5,09 com preocupações sobre China

Publicado

A divulgação de dados econômicos fracos sobre a China provocou instabilidade no mercado financeiro de países emergentes. O dólar disparou pela manhã, mas desacelerou ao longo do dia. A bolsa de valores iniciou o dia em baixa, mas reverteu o movimento, impulsionado por ações de varejistas.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (15) vendido a R$ 5,092, com alta de R$ 0,018 (+0,35%). A cotação chegou a R$ 5,14 no início das negociações, mas a tensão diminuiu com a entrada de fluxos externos durante a tarde de investidores atraídos pelos juros altos no Brasil, o que permitiu que o câmbio se mantivesse abaixo de R$ 5,10.

Com o desempenho de hoje, a moeda norte-americana acumula queda de 1,6% em agosto. Em 2022, o recuo chega a 8,68%.

A volatilidade também afetou o mercado de ações. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 113.032 pontos, com alta de 0,24%. Pela manhã, o indicador chegou a cair 1,44%, após a divulgação de que a economia chinesa continuou a desacelerar. No entanto, a melhoria no mercado norte-americano durante a tarde e a alta de ações de setores ligados ao consumo trouxeram o índice para cima.

A política de lockdowns imposta pelo governo chinês para combater a economia de covid-19 fez a economia do país asiático registrar forte desaceleração em julho. Além disso, o prolongamento da crise imobiliária tem afetado a retomada da segunda maior economia do planeta. Problemas econômicos na China afetam países exportadores de commodities (bens primários com cotação internacional), como o Brasil.

Por outro lado, fatores ligados à economia doméstica ajudaram a amenizar as notícias vindas da China. A perspectiva de que o ciclo de alta da taxa Selic (juros básicos da economia) tenha chegado ao fim tem atraído capital externo para o Brasil. Paralelamente, as ações de empresas ligadas ao consumo doméstico passaram a recuperar-se com a expectativa que a Selic comece a cair no próximo ano.

* Com informações da Reuters

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Economia

Continue lendo

Economia

Justiça suspende licenciamento ambiental de ferrovia em MT e determina que indígenas impactados sejam ouvidos

Publicado

De acordo com o MPF, não foram realizados estudos específicos sobre os impactos da obra ao povo Boe Bororo

A pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça determinou um prazo de 90 dias para que a Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a empresa Rumo adotem as medidas cabíveis para promover a consulta livre, prévia e informada aos indígenas Bororos das Terras Indígenas Tadarimana e Teresa Cristina. Os órgãos também devem emitir o Termo de Referência Específico para realização do Estudo do Componente Indígena, referente aos impactos da construção da Ferrovia Rondonópolis – Lucas do Rio Verde, no interior de Mato Grosso, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.

Na decisão, o magistrado também ordenou que a empresa Rumo, responsável pelo empreendimento, realize a consulta e o estudo conforme o termo de referência emitido pela Funai e que a Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema/MT) não mais emita quaisquer licenças antes da consulta e do atestado de viabilidade da obra pela Funai.

A decisão é fruto de uma ação civil pública (ACP) ajuizada pelo MPF em março de 2022, com o objetivo de assegurar a realização de estudos para avaliação dos efeitos sobre as terras indígenas Tereza Cristina e Tadarimana e garantir consulta aos povos afetados pela construção da Ferrovia, seguindo as normas internacionais e antes da emissão do licenciamento.

Em sua decisão, o juiz federal Pedro Maradei Neto destacou a falta de consenso entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Secretaria de Infraestrutura do Estado de Mato Grosso (Sinfra/MT) e a Funai quanto a distância do traçado da ferrovia da Terra Indígena Tadarimana. De acordo com o Iphan, a malha ferroviária está a 9.979 metros da TI; já a Sinfra/MT informa que a distância mais próxima da ferrovia e a terra indígena é de 10.579 metros; e por fim, a distância calculada pela Funai é de 12.390 metros. “Não se pode ignorar que a dissonância de tais projeções, feitas por servidores públicos no exercício de suas funções e, portanto, dotadas de presunção e veracidade, geram incertezas quanto à efetiva distância entre o traçado da ferrovia e as terras indígenas em questão, a recomendar, por conseguinte, a atuação da Funai no licenciamento, sobretudo porque ainda que se considere a maior distância apurada (12.390m), ela ainda está próxima dos limites fixados na Portaria”, afirmou o magistrado.

O juiz ressaltou ainda que, diante do apelo dos próprios Bororos das Terras Indígenas Tadarimana e Tereza Cristina, deve-se reconhecer o direito dos indígenas de participarem de forma plena e efetiva de todo o processo de licenciamento ambiental da ferrovia, por meio da consulta livre, prévia e informada, conforme preconizado pela Convenção 169 da OIT.

Continue lendo

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana