conecte-se conosco


Saúde

10 hábitos para você colocar em prática e evitar os principais tipos de câncer

Publicado

Uma análise feita pela American Society of Clinical Oncology indica que seguir uma alimentação  balanceada e praticar atividades físicas com regularidade são medidas que ajudam a prevenir 40% dos casos de câncer. Por isso, mudar o estilo de vida, principalmente se você não está acostumado a levar uma vida saudável, é tão importante.

Leia também: Tabagismo mata 200 mil brasileiros por ano; veja riscos e como parar de fumar

parar de fumar arrow-options
shutterstock

O tabagismo é o principal fator de risco para o surgimento de câncer e, por conta disso, é importante parar de fumar

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o câncer é a segunda principal causa de morte em todo mundo. Somente em 2018, foram 9,6 milhões de mortes. Isso se deve, principalmente, à maior exposição aos fatores de risco, como o cigarro, alimentação inadequada, o abuso do álcool e a falta de exercício físico. 

Hoje em dia, os tipos mais comuns de câncer são: pulmão, mama, colorretal, próstata, de pele não-melanoma e estômago. Para ajudar na prevenção desses e outros, Auro Del Giglio,  oncologista do HCor, lista 10 hábitos que são fundamentais e que devem ser seguidos pela população. Confira!

1. Não fumar

Segundo a OPAS, o tabagismo é o principal fator de risco para o surgimento de câncer, além de causar 22% das mortes em decorrência da doença.  “Para se ter uma ideia, 90% dos casos de câncer de pulmão tem o cigarro como responsável”, esclarece Giglio. 

“Os outros 10% são decorrentes do fumo passivo. O tabagismo também é o grande culpado por 30% da ocorrência de outros tipos de câncer, como boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia”, aponta o profissional.

2. Controlar a ingestão de bebidas alcoólicas

O álcool, por sua vez, também aumenta a chance de desenvolvimento de alguns tumores. Mas o que mais se nota é que ele potencializa os efeitos do tabaco. “Além disso, estudos científicos têm relacionado o abuso do álcool com outros tipos de câncer [além dos principais]”, diz o oncologista.

3. Usar camisinha durante o sexo

O papiloma vírus humano (HPV) – transmitido sexualmente – é o principal responsável por alguns tipos de câncer, como o câncer do colo do útero, vulva, pênis e orofaringe (garganta). “Por isso, a importância de praticar sexo seguro e sempre com o uso da camisinha – até mesmo para o sexo oral”, orienta Giglio. A vacinação contra o HPV também é importante.

4. Ter cuidado com a hepatite

Vale ressaltar que o sexo seguro também evita o vírus da hepatite B (que conta com vacina) e da hepatite C (que não possui vacinação). Ambas podem levar ao surgimento do câncer de fígado. “O uso da camisinha, além de reduzir as chances de cânceres no sistema reprodutor e orofaringe, também pode proteger seu fígado”, diz o profissional.

Leia também: Silenciosa, hepatite C requer atenção; saiba quais cuidados ter no dia a dia

5. Controlar o excesso de açúcares e gorduras

Apesar do açúcar não ter relação direto com os tipos de câncer, quando consumido em excesso, faz o organismo liberar muita insulina para metabolizá-lo. “A insulina muito alta aumenta a produção de uma substância chamada citocina pró-inflamatória. E quanto maior a quantidade, maiores as chances de câncer. Em relação às frutas, legumes e verduras, elas são ricas em fibras e protegem o intestino contra o câncer”, alerta Giglio.

6. Evitar alimentos processados

Presunto, mortadela, salame, bacon, salsicha e bacon são alimentos processados e ricos em uma substância chamada nitrosamina, apontada pelo médico como cancerígena. Diante disso, é importante evitar consumir esses alimentos ao máximo, assim como os que são vendidos em fast food.

7. Proteger-se do sol

Os raios UVA e UVB, emitidos pelo sol, são os responsáveis pelas alterações celulares que podem levam ao câncer de pele. Dessa forma, é importante usar protetor solar e evitar exposição das 10h às 16h.

“Além do protetor solar, que deve ter o mínimo de fator 20, é preferível tomar sol apenas antes das 10h e depois das 16h e não abrir mão de barreiras físicas, como chapéus, guarda-sol, bonés e óculos escuros. Além da importância de passar com um dermatologista anualmente para a inspeção de lesões cutâneas suspeitas”, orienta Giglio.

8. Praticar atividade física

Praticar atividade física ajuda na prevenção de diversas doenças, inclusive do câncer. Isto se deve graças a capacidade, em especial de exercícios aeróbicos, de diminuir a circulação das citocinas pró-inflamatórias em nosso organismo.

9. Ter atenção com a saúde

Quando há algo de errado com o nosso corpo, ele pode indicar alguns sinais. Isso também vale para casos de câncer. Dessa forma, é importante que se preste atenção no corpo. Afinal, somente dessa forma é possível notar a presença de algum caroço estranho, uma íngua, mancha na pele ou qualquer outro sinal.

Leia também: Notou um possível erro no resultado de algum exame? Saiba o que você deve fazer

10. Fazer um check-up anual

Giglio orienta que é importante realizar todos os exames de diagnóstico precoce que são indicados pelo médico. “Existe uma série de exames que são fundamentais na hora de detectar os diversos tipos de cânceres. Entre eles a mamografia, por exemplo, que deve ser feita a partir dos 40 anos para detectar o câncer de mama”, finaliza.

Fonte: IG Saúde
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Saúde

Novo coronavírus: Brasil monitora cinco casos suspeitos

Publicado

O Ministério da Saúde acompanha cinco casos de pacientes com suspeita de infecção pelo novo coronavírus, sendo uma criança de dois anos. O boletim divulgado nesta terça-feira (18) traz dois casos a mais que o de ontem. Todos estiveram na China, mas nenhum deles na cidade de Wuhan, epicentro da doença. 

“Entraram mais dois casos de São Paulo, então permanecem os dois de ontem e dois novos em São Paulo e o do Rio Grande do Sul permanece desde a semana passada”, disse em coletiva à imprensa o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabardo.

Segundo o secretário, o paciente do Rio Grande do Sul foi testado para os vírus mais comuns, como H1N1, e os testes deram negativo. Agora, uma amostra está sendo enviada para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) para análise específica quanto ao novo coronavírus. Três dos pacientes ainda serão testados para vírus gripais.

Gabardo enfatizou que a mobilização para prevenir e conter o vírus continua pelo menos até o começo do inverno. “Nós não vamos reduzir todas essas ações feitas, toda mobilizações feita antes da chegada do inverno, independentemente de até lá nós termos casos confirmados no Brasil”.

Repatriados

A pasta deve divulgar amanhã (19) o resultado dos exames dos brasileiros resgatados da China e dos tripulantes da Força Aérea Brasileira que estiveram envolvidos na ação. No total, 58 pessoas estão em quarentena na Base Aérea de Anápolis (GO) para descartar o risco de contaminação pela doença no Brasil.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde
Continue lendo

Saúde

Como preparar o fígado para beber no carnaval?

Publicado

O carnaval já está a todo vapor em diversas cidades, e o plano de muitas pessoas é cair na folia e beber com os amigos. O recomendado é sempre ter moderação ao ingerir bebidas alcóolicas. Mas, além disso, dá para preparar o corpo para encarar as bebidas de uma forma menos danosa, principalmente o fígado. 

Leia mais: O que acontece se você mistura álcool e medicamentos e como evitar problemas

copos de cerveja arrow-options
shutterstock

Cerveja traz menos prejuízos ao corpo que os destilados, mas é sempre bom ter moderação e seguir algumas dicas se quiser beber

O fígado , como destaca a nutricionista Gabriela Cilla, da Clínica NutriCilla, quando a pessoa bebe, sofre trabalhando mais para filtrar o álcool.

“É no fígado que ocorre todo processo de filtração do nosso organismo, inclusive as trocas sanguíneas”, explica. “Se há alta ingestão de toxinas, não só o fígado vai ficar mais prejudicado, mas  também os rins, que tem que excretá-las”, completa a nutricionista.

Por isso, a primeira dica para cuidar desses órgãos é uma clássica: beber água. Isso ajuda a diluir o álcool e facilitar o trabalho realizado pelo fígado. A indicação da nutricionista é intercalar um copo de bebida com um copo de água. 

O que você come também ajuda ou prejudica seu fígado 

Se as bebidas alcóolicas exigem mais do seu organismo, o mesmo vale para comidas muito gorduras ou outras besteiras. Por exemplo, ingerir álcool comer frituras é ruim para o organismo, porque “você dá dois trabalhos para seu fígado”, alerta Gabriela. 

Não há muito segredo. Se sabe que vai beber, tenha cuidado redobrado com a alimentação. O melhor é beber muita água, comer frutas e lanches mais naturais. Se a alimentação é feita antes de sair, dá para dar preferência aos alimentos antioxidantes, que são os mais benéficos para o fígado.

“Alimentos como couve, brócolis, rúcula e agrião atuam no processo de desintoxicação, auxiliando o funcionamento do fígado. Portanto, são boas pedidas na luta contra a ressaca”, orienta a médica nutróloga Marcella Garcez. Frutas das vermelhas para azuis (morango, maçã, ameixa, açaí, berries); alimentos integrais; cúrcuma e oleaginosas (que são fontes de ômega 3) também são bem-vindos. 

Ainda sobre alimentação, vale um lembrete durante o carnaval : não fique em jejum! Isso, segundo as especialistas, é o pior cenário para seu corpo. Para curtir e não sofrer tanto com as bebidas, seu corpo precisa de energia. 

O que beber no carnaval?

Chegou a hora da folia e o que mais tem disponível por aí é a cerveja . E a boa notícia é que ela nem é a pior das bebidas para o organismo, assim como o vinho. Por exemplo, o vinho é proveniente da uva e conta com a presença do resveratrol, que é antioxidante, como explica Gabriela. A cerveja, por sua vez, também vem do lúpulo ou do malte, o que já acrescenta uma característica melhor à ela.

“Já os destilados ou as famosas ‘pingas’ são só resquícios da concentração da cana de açúcar. Por um lado, o teor alcóolico é maior, então a pessoa bebe menos. Por outro, são mais agressivos e potentes que as outras bebidas”, diz a nutricionista.

Isso não significa que o vinho e a cerveja sejam bebidas totalmente liberadas, mas são consideradas ‘menos piores’ quando comparadas aos destilados. A chave continua sendo a moderação. 


Fonte: IG Saúde
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana