SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=28120 LIMIT 1
O Documento - Tricentenário

EDUARDO PÓVOAS

Tricentenário

Por: Eduardo Póvoas

Chegamos a quase quatrocentos e poucos dias de uma data marcante. Começo por este, uma série de artigos copilando dados das obras do meu pai, para homenagear a cidade que amo. 

Muitos como eu que jamais imaginaram viver essa data histórica, ansiosos estão, com a aproximação dela.

Não só de asfalto, praças, viadutos e parques vive nossa cidade. 

Cuiabá para quem não sabe, teve no passado uma vida cultural que não ficava muito longe dos grandes centros. Falarei sobre ela em outro momento.

Poucos sabem ou acreditam que até o ano de 1915, quem se destinava ao Rio de Janeiro ou São Paulo tinha como única alternativa descer o rio Cuiabá, Paraguai até assunção e daí ainda por água até Buenos Aires ou Montividéo para subir pelo Oceano Atlântico até as nossas grandes metrópoles.

O rio Cuiabá sempre esteve ligado a nossa cidade e a nossa gente. Atravessá-lo antes da construção da primeira ponte por Júlio Müller em 1942, só através da parca “pêndulo” que ligava o primeiro e o segundo distrito da capital, a cidade e o porto e o terceiro distrito que era Várzea Grande. 

Seu proprietário, cel. Benedicto Leite de Figueiredo, conhecido como cel “Didito” sempre a bordo e com um repertório vastíssimo, divertia os passageiros que nela viajavam sob os olhares do seu comandante José Felix, nunca agarrado ao leme da embarcação, mas sempre prestando atenção nas histórias contadas por seu patrão.

Meu pai me contava que o bairro do porto onde nasceu e passou toda sua infância, era o bairro da cidade que mais lhe facinava.

Em homenagem a seus amigos, aos meus e as famílias cuiabanas desse e de outros bairros da cidade que ele me ensinou a amar, vou a partir deste artigo escrever suas peripécias pela nossa cidade e aquelas pesquisadas por ele e descritas nas obras que deixou e dedicou aos jovens cuiabanos.

No bairro do porto, tiveram sede importantes casas comerciais de Cuiabá, destacando-se dentre elas, a dos irmãos dorsa, italianos, que foram os introdutores do automóvel em nossa terra. 

Com o desenvolvimento da cidade outras ruas foram surgindo, dando ensejo a que várias delas se tornassem o embrião de verdadeiros sub bairros que se integravam ao grande conjunto e que confluiam, direta ou indiretamente, para a avenida 15 de novembro tais como, Várzea Ana Poupino, Barcellos, Terceiro, Lagôa, Chacrinha, Hidráulica, Limoeiro, Cruz Preta, Capim Branco etc.

Por isso ele dizia: “os homens passam desaparecem na poeira dos séculos, os seus pensamentos, porem, lhes sobrevivem, o espirito que os animou perpetua-se formando e modelando os espíritos de outros  homens contribuindo assim para a formação de novos guias do progresso humano” lenine póvoas.

Eduardo Póvoas-pós graduado pela UFRJ

 

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.234.45.10) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=28120 ORDER BY id DESC