SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=33772 LIMIT 1
O Documento - A revolta de Pacaraima

DIRCEU CARDOSO

A revolta de Pacaraima

Por: Dirceu Cardoso

O confronto do final de semana em Pacaraima, na divisa do Brasil com a Venezuela, nada mais é do que o resultado da crônica de uma revolta anunciada. Venezuelanos em fuga da brutal crise que assola seu país, acabam por assaltar um comerciante da cidade fronteiriça e constituem  a fagulha que faltava para a explosão da intolerância, incentivada entre outras coisas pela disputa política local. Os governos federal, estadual e municipais têm o dever de se coordenarem para enfrentar o problema de forma eficaz. Não pode Brasília ignorar os reclamos vindos diretamente da zona de conflito e nem os presentes ao teatro das operações exigirem mais do que lhes é cabível e possível. O entendimento é fundamental, acima de quaisquer diferenças de ordem política ou ideológica. Há que se pensar nos seres humanos –tanto venezuelanos quanto brasileiros – atingidos diretamente pelo problema fronteiriço, e nada mais.

O governo brasileiro opta pela neutralidade em relação ao venezuelano e até com ele mantém negócios – impressão de dinheiro da Venezuela pela Casa da Moeda brasileira, abastecimento de Roraima com eletricidade venezuelana, etc -, limitando sua atuação política a barrar a Venezuela no Mercosul. Os governos estadual e municipais de Roraima, que vivem de perto o problema dos refugiados, ressentem-se da ausência federal e querem mais recursos tanto financeiros quanto materiais. Agora ainda se verifica o perverso ingrediente político-eleitoral, que antagonizam Boa Vista e Brasília, mas não deve (pelo menos não deveria) interferir no trato e manejo da imigração humanitária.

Temos de compreender que, ao atravessar a fronteira, o cidadão venezuelano pobre vem ao Brasil buscar socorro para a sua miséria imediatíssima. Talvez nem pretenda fazer vida em território brasileiro, mas assim que puder retornar ao seu país, família e cultura. O programa de “interiorização”, que os espalha pelo território brasileiro, é duvidoso, principalmente se levar em consideração a existência de 13 milhões de brasileiros desempregados. Os venezuelanos, fatalmente, serão novas vítimas da crise econômica brasileira. Na atual situação, o Brasil não é a pátria acolhedora de que necessitam, embora possa e deva socorrê-los no imediato, até que possam voltar ao seu país.

Mais do que incluir os venezuelanos – ou quaisquer outros estrangeiros flagelados em seus países de origem – o Brasil, por sua diplomacia, tem o dever de atuar para que aquelas nações resolvam suas crises e possam repatriar dignamente seus cidadãos. Até porque, da forma que hoje ocorre a imigração venezuelana, aqueles homens e mulheres correm o sério risco de deixar de serem os miseráveis flagelados de lá para o serem aqui...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) 

aspomilpm@terra.com.br                                                                                                     

 

 

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.198.52.82) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=33772 ORDER BY id DESC