SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=30071 LIMIT 1
O Documento - A janela da traição partidária

WILSON FUÁ

A janela da traição partidária

Por: Wilson Fuá

O entendimento atual é que as vagas preenchidas em eleições proporcionais, ou seja, de deputados e vereadores, pertencem às legendas e não aos parlamentares. Por isso, foi preciso uma lei (Lei 13.165/15) prevendo essa janela para troca de partido no ano eleitoral, sem perder os mandatos, ou seja, legalizar a traição.

Durante o período da “janela da traição partidária”, vimos discursos e mais discursos, sem projetos nenhum para o Estado, mas sim, discursos desagregadores, desafiadores para brigas pessoais para viabilizar apenas projetos pessoais, vejam os ecos que ficaram aos ouvidos cansados dos eleitores sofridos:

1 – “Não sou filhos de pais assombrado”;

2 – “Pode vir todo mundo e até Seo Raimundo”;  

3 – “Ganhar eleição com pé no pescoço”;

4 – “As mordidas das Cobras,  não cessarão”. 

O Estado de Mato Grosso precisa de grandes projetos, principalmente no para o Sistema Educacional, mas infelizmente o que se vê e o que se ouve  são discursos repetitivos e ultrapassados, sem nenhum projeto para o povo, por isso, as novas gerações estão em busca de novas propostas e pela renovação dos conceitos políticos, com propostas de geração de empregos para os jovens desempregados.  

Quando o sucesso não vem e as derrotas acumulam, e o resultado é a desagregação de grupos e de famílias, fazendo com que aumente o número de jovens em busca de caminhos que não existem, e passam a buscar uma fuga, usando o consumo de drogas, que fatalmente o levará a reprodução da violência urbana de modo insano e covarde, multiplicando os assaltos pelas ruas deste Estado. 

A maioria dos grupos de assaltantes é constituída por jovens que estão na faixa de 16 a 21 anos, e que na verdade também são vítimas de uma sociedade desagregadora, e passam a viver nas ruas,  sem família, sem possibilidade de emprego e  principalmente vivendo de carência educacional.

A ascensão pessoal dos jovens depende das oportunidades do mercado de trabalhos, e para disputar as raras oportunidades terá que estar  preparado, e esse preparo depende do sistema público educacional de alto padrão, mas  através dos discursos ultrapassados das velhas lideranças, ao ouvir esses “palavreados” os jovens desempregados estará mais desiludido com a política, pois o seu futuro,  está diretamente ligado as ações que dependem de outros fatores: das raras oportunidades e que para disputá-la depende da capacitação profissional.

A solução não é aumentar o número de policiais e presídios, mas sim, investir em grandes projetos na educação e decidir pela remuneração dos educadores de forma que o Estado possa disputar o mercado em busca dos melhores mestres e doutores, e ao programar novos projetos, os melhores índices virão nos resultados escolares futuros, e para que isso aconteça, basta equiparar os Salários e os Planos de Carreira dos Professores em relação à dos Delegados de Polícia, por que, a solução está na origem e não na causa. 

Wilson Carlos Fuah – É Especialista em Recursos Humanos e  Relações Políticas e Sociais.

Fale com o Autor:  wilsonfua@gmail.com

 

 

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.81.197.24) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=30071 ORDER BY id DESC