SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=26571 LIMIT 1
O Documento - Depois de 48 anos de altos e baixos, Brasil não terá piloto na Fórmula 1 em 2018

APOSENTADORIA

Depois de 48 anos de altos e baixos, Brasil não terá piloto na Fórmula 1 em 2018

Por: Gazeta Esportiva
Massa deixa circuito e não há aspirante em evidência no momento
Massa deixa circuito e não há aspirante em evidência no momento
Foto de Divulgação

O Brasil não terá um representante na Fórmula 1 pela primeira vez em 48 anos a partir de 2018. Com a aposentadoria de Felipe Massa ao final da atual temporada, um dos países mais apaixonados pela principal categoria do automobilismo mundial precisará se acostumar a torcer por estrangeiros, uma vez que não há qualquer previsão de novos brasileiros no grid a curto prazo.

Desde que Emerson Fittipaldi ingressou na Fórmula 1, em 1970, o Brasil teve representantes em todas as temporadas. Pela Lotus, Fittipaldi faturou o Mundial de 72, antes de se transferir para a McLaren, em 1974, quando novamente levantou o caneco e se firmou como um dos ícones do automobilismo brasileiro.

Depois de Fittipaldi abrir caminho, outros pilotos do Brasil trilharam uma trajetória vitoriosa na Fórmula 1. Nelson Piquet foi um dos mais ilustres, encerrando a carreira como tricampeão mundial. Dois de seus títulos foram conquistados guiando pela Brabham, em 1981 e 1983. Já em 1987, pela Williams, Piquet voltou a reinar na categoria, entretanto, um outro brasileiro já surgia para assumir o protagonismo: Ayrton Senna.

Um dos pilotos mais aclamados da história da Fórmula 1, Senna conquistou seu primeiro título em 1988, logo em sua estreia na McLaren. Após se destacar pela Lotus, o audacioso piloto da zona norte de São Paulo, enfim, pôde guiar um carro que o desse as condições necessárias para ele mostrar seu verdadeiro potencial e não decepcionou. Ao todo, foram três títulos (1988, 1990 e 1991), todos eles com a equipe inglesa, que também contava com Alain Prost, maior rival de Senna.

Com a morte do tricampeão mundial em primeiro de maio de 1994, no circuito de Ímola, em San Marino, Rubens Barrichello foi quem tomou o bastão e seguiu mantendo o Brasil em um lugar de destaque na Fórmula 1. Posteriormente, Felipe Massa herdou o posto do seu compatriota na equipe italiana e agora, prestes a encerrar sua carreira na principal categoria do automobilismo mundial, l o atual piloto da Williams ainda reflete sobre como escreverá o fim dessa história.

“Não sei como a despedida vai ser ainda. Quero ver e tentar projetar como vai ser o futuro da minha carreira como piloto. Gosto de correr, me sinto ainda competitivo e quero achar uma categoria que me dê prazer de correr”, afirmou Massa.

Antes de começarem a se acostumar com uma nova realidade na Fórmula 1, os brasileiros poderão aproveitar para se despedir de perto de Felipe Massa neste domingo, a partir das 14h (de Brasília), horário da largada do GP do Brasil de Fórmula 1. O piloto da Williams, na nona colocação, dividindo a quinta fila com o francês Esteban Ocon, da Force India.

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.225.36.143) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=26571 ORDER BY id DESC