SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=32734 LIMIT 1
O Documento - Indústria de Mato Grosso foi a mais afetada pela paralisação dos caminhoneiros

DEU NA FOLHA

Indústria de Mato Grosso foi a mais afetada pela paralisação dos caminhoneiros

Por: FOLHA ONLINE
Dados divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira, mostram que o setor em MT teve queda de 24%
Dados divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira, mostram que o setor em MT teve queda de 24%

A paralisação de caminhoneiros ocorrida entre 21 de maio e 2 de junho afetou a produção industrial de 14 dos 15 estados investigados pelo IBGE em sua Pesquisa Industrial Mensal. 

Segundo o instituto divulgou nesta quarta-feira (11) os estados cuja produção sofreu em maio o maior impacto foram Mato Grosso (-24,2%), Paraná (-18,4%), Bahia (15%) e Santa Catarina (-15%). 

São Paulo (-11,4%) e Rio Grande do Sul (-11%) completam a lista dos estados cujas perdas em maio superam a média nacional.

Bloqueios de estradas e o consequente desabastecimento de alimentos e combustíveis levaram à produção industrial brasileira em maio a uma perda de 10,9% em relação a abril. 

Quase todos os estados pesquisados tiveram em maio perdas que superaram ganhos nos meses anteriores.

A exceção foi o estado do Pará, o único da lista de 15 estados investigados pelo IBGE que teve alta na produção de maio, de 9,2%.

 Goiás (-10,9%), Minas Gerais (-10,2%), Pernambuco (-8,1%), Rio de Janeiro (-7%), Ceará (-4,9%), Amazonas (-4,1%) e Espírito Santo (-2,3%) também registraram queda em maio.

Apesar das fortes perdas no período, a produção industrial brasileira acumula alta de 2% no período de janeiro a maio deste ano. Sete estados, porém, tem saldo negativo, com destaque para o Espírito Santo, que teve queda de 5,1% na produção nos cinco meses. 

De acordo com o IBGE, a paralisação de caminhoneiros que durou 11 dias desarticulou a produção nacional. Diversas indústrias sofreram o impacto da mobilização, seja porque ficaram sem insumos para a produção, seja porque seus funcionários não conseguiram chegar às linhas de produção. 

Durante a paralisação, houve falta de alimentos importantes na cesta básica do brasileiro, já que diversos caminhões de legumes, verduras e frutas não chegaram aos seus destinos finais. Centros de distribuição de alimentos de várias capitais brasileiras registraram faltas de produtos como cebola e batata inglesa, cujos preços dispararam. 

Também houve falta de combustíveis nos postos, já que com motoristas de braços cruzados os caminhões que faziam a entrega de gasolina e diesel da refinaria para os postos deixaram de circular.

Houve ainda registro de piquetes nas portas das principais refinarias da Petrobras pelo país. O resultado foi o desabastecimento de combustíveis, que demorou alguns dias para se recuperar apesar do fim da paralisação. 

Ao término da mobilização, houve uma corrida de consumidores a postos de combustíveis e supermercados atrás dos produtos que faltaram no período, o que estendeu ainda mais o período de desabastecimento. 

 

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.162.123.74) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=32734 ORDER BY id DESC