SELECT p.*, IF(LENGTH(fotos)>10,0,(SELECT id FROM w229_post_fotos WHERE post=p.id ORDER BY principal DESC, id LIMIT 1)) AS fotoGal FROM w229_post AS p WHERE p.id=21047 LIMIT 1
O Documento - Palocci diz a Moro que pode revelar "nomes e operações"

DELAÇÃO À VISTA

Palocci diz a Moro que pode revelar "nomes e operações"

Por: UOL
-ministro foi interrogado nesta quinta-feira (20), em Curitiba
-ministro foi interrogado nesta quinta-feira (20), em Curitiba

Antonio Palocci, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, disse em depoimento nesta quinta-feira (20) ao juiz Sergio Moro, em Curitiba, que poderia repassar em sigilo informações "que vão ser certamente do interesse da Lava Jato".

Palocci foi interrogado em ação penal sobre lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. "Fico à sua disposição hoje e em outros momentos, porque todos os nomes e situações que eu optei por não falar aqui, por sensibilidade da informação, estão à sua disposição o dia que o senho quiser", afirmou.

 "Se o senhor estiver com a agenda muito ocupada, a pessoa que o senhor determinar, eu imediatamente apresento todos esses fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser certamente do interesse da Lava Jato."
Palocci relatou ter sido procurado em 2014 por um banqueiro que se disse enviado por um membro do alto escalão do governo Dilma Rousseff. Segundo o ex-ministro, o banqueiro disse que cuidaria de "provisões" e queria que Palocci intermediasse o contato com a Odebrecht para "capitalizar esses recursos".
Palocci disse ter negado ao interlocutor que tivesse conhecimento de "provisões" e pediu que o banqueiro procurasse a Odebrecht.
O ex-ministro também contou ter perguntado ao banqueiro se a presidente Dilma sabia que ele havia sido enviado por alguém do alto escalão do governo; o banqueiro teria dito que não. Segundo a Folha, há cerca de duas semanas Palocci teve uma reunião com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, onde está preso desde setembro de 2016, para negociar sua delação premiada.

Governos e Odebrecht

Palocci disse ainda que, diante do cenário atual, "todos os governos parecem que trabalham em função da empresa Odebrecht."  O ex-ministro contou como ainda no começo do primeiro governo Lula, em 2004, houve a aprovação de uma redução de carga tributária para o setor da construção civil. Ele citou ainda o fato de que várias companhias de diversos setores pediam recursos ao Estado. "O governo salva empresas", disse.

Elogios a Moro e à Lava Jato

Palocci fez elogios à operação que levou para a cadeia ele próprio e outros quadros expressivos do PT. O ex-ministro, preso preventivamente desde setembro de 2016, disse que a Lava Jato "realiza uma investigação de importância".
"Acredito que posso dar um caminho, que talvez vá dar um ano de trabalho, mas é um trabalho que faz bem ao Brasil", acenou.
Além de se mostrar disposto a colaborar com novidades para a Lava Jato, Palocci fez elogios ao juiz Sergio Moro. "Eu sei que o senhor é um juiz extremamente rígido, mas um juiz justo", disse ao magistrado.
O ex-ministro pediu que seu julgamento seja "com base na lei e em critérios absolutamente justos". "Eu sei que o senhor faz isso com maestria. O senhor tem dado uma contribuição ao país na medida em que acelera processos decide com celeridade. Acho que isso é digno de nota. Agora, acho muito importante que a decisão seja em cima de fatos justos".

Caixa 2 "generalizado"

Ao ser questionado por um de seus advogados sobre a existência de pagamentos não contabilizados (caixa 2) em campanhas eleitorais, Palocci afirmou que a prática era "generalizada".
Perguntado por Moro se esses pagamentos aconteceram no PT, Palocci respondeu que ocorriam ao menos em todos os grandes partidos. "Isso é uma situação mais do que óbvia e conhecida por todos", afirmou.
No entanto, Palocci negou ao longo de todo o depoimento que fosse o "Italiano" da planilha do setor de operações estruturadas da Odebrecht --na prática, um departamento dedicado a cuidar de propinas e caixa 2 para agentes públicos e partidos políticos.
Na planilha, a conta corrente "Italiano" teve crédito de R$ 200 milhões em caixa 2 para o PT.
Palocci negou ainda que organizasse pagamentos de caixa 2 junto a Marcelo Odebrecht. O ex-ministro também negou a acusação, feita pelo ex-executivo em delação premiada, de que negociou a concessão de linha de crédito do BNDES ou benefícios para a Odebrecht.

 

 

Comentários

Atenção! Seu comentário é de sua inteira responsabilidade.
O site "O Documento" é livre para rejeitar comentários ofensivos, com linguajar de baixo calão, denúncias sem evidências e outros que julgar inapropriados. Mesmo que o seu comentário seja aprovado pela nossa equipe, a responsabilidade sobre ele continua sendo sua.
O IP da sua conexão (54.159.66.70) será armazenado e disponibilizado às possíveis vítimas caso este espaço seja utilizado para atingir a honra ou prejudicar a imagem de alguém.
Enviar
    SELECT id,nome,email,comentario,i_cadastro,positiv,negativ,aprovado FROM w229_post_coment AS t WHERE aprovado>=0 AND post_id=21047 ORDER BY id DESC