conecte-se conosco


Política Nacional

Maia diz que reforma da Previdência deve passar pela CCJ esta semana

Publicado

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse hoje (15), em São Paulo, que a reforma da Previdência deve passar esta semana pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

“Na minha avaliação, pelo que estou conversando com alguns deputados, encerra-se esta semana a CCJ e, a partir da semana que vem, começamos a discutir nomes para a instalação da comissão especial, que deve ser instalada na semana que vem ou na outra, no máximo”, disse ele, em entrevista a jornalistas.

Para Maia, a reforma deverá ser aprovada com o sistema de capitalização também, mas sem regulamentação, por enquanto. “Aprovar o sistema e deixar aprovado o sistema de capitalização, sem regulamentação. O momento da regulamentação é o momento que a equipe econômica do governo é que vai ter que dizer qual o melhor momento”, disse ele. “Sou a favor da capitalização. Acho que temos que aprovar a capitalização e depois organizar a regulamentação dela”, ressaltou.

“Essa reforma é muito importante. Ela vai gerar condições da gente poder olhar um pouquinho no longo prazo”, falou.

Leia Também:  Direitos Humanos debate risco da chamada deep web para jovens e crianças

Segundo ele, logo após a reforma da Previdência, o Congresso deverá se debruçar sobre a reforma tributária. “Acabando a comissão especial da Previdência, a gente instala a tributária. Não vamos deixar uma coisa misturar com a outra”, disse.

Maia palestrou hoje (15) no evento “100 Dias de Governo”, das revistas Veja e Exame, realizado em São Paulo. Durante o evento, ele disse ainda que acredita que a reforma da Previdência será aprovada pela Câmara ainda no primeiro semestre deste ano. “Acho que são grandes (as chances de aprovação da reforma)”, declarou.

Governo

Maia elogiou a agenda econômica do governo do presidente Jair Bolsonaro, mas ressaltou que o governo precisa divulgar mais suas outras agendas. “Minha opinião é que temos que tratar de pautas que são fundamentais. O que a gente pensa sobre saúde, educação, segurança, redução da pobreza, infraestrutura”, acrescentou.

Segundo ele, os 100 primeiros dias do governo Bolsonaro, assim como ocorre em todo o mundo, foi turbulento “Foram 100 dias com turbulência. Não sei se acabou a turbulência. Mas o avião passou pela turbulência”, falou.

Leia Também:  Governo federal virou as costas para Roraima, diz Telmário

Para Maia, o maior acerto do governo até agora foi a agenda econômica. “O maior acerto foi a pauta econômica priorizando a reforma da Previdência. Foi uma sinalização clara de que o governo não está preocupado com a popularidade, mas em reformar o estado brasileiro. O maior erro eu deixo que vocês avaliem”, disse ele a jornalistas.

Edição: Sabrina Craide

Fonte: EBC Política
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política Nacional

Mulher de Mourão ganha fã-clube e apoio ao marido em redes sociais

Publicado


Selfie de Paula Mourão e Hamilton Mourão
Reprodução/Instagram

Em 2017, Paula Mourão tinha publicado algumas imagens em sua rede, mas a partir deste ano se tornou mais ativa

Segunda-dama. É assim que Paula Mourão está sendo chamada desde que reativou sua conta no Instagram. A tenente de 43 anos, mulher do General Hamilton Mourão, vice-presidente da República, ainda não tem a popularidade de Michelle Bolsonaro, a primeira-dama, mas já possui até fã-clube dedicado a ela.

Leia também: “Vira a página”, diz Mourão ao ser questionado sobre ataques de Carlos Bolsonaro


Paula e Hamilton Mourão de braços dados, vestidos de gala
Reprodução/Instagram

Paula e Hamilton Mourão em coquetel no dia da posse presidencial

Paula Mourão já possuía o perfil na rede social desde 2017, mas não publicava nada há mais de um ano. A partir da posse presidencial ela voltou a compartilhar alguns aspectos de sua vida, ainda que as postagens ainda sejam tímidas. Paula costuma mostrar alguns looks e momentos mais íntimos com o marido, além de bastidores de eventos que participa.

Esta semana, por exemplo, o casal foi convidado a jantar na Embaixada da China. Há menos de um mês, estiveram na casa de uma amiga terapeuta, que possui uma empresa de coach em inteligência emocional.

Leia Também:  Ministro da Cidadania apresenta prioridades à Comissão de Cultura

É neste cenário, de pouco mais de 1500 seguidores, que ela vem sendo uma espécie de “ouvidoria” do vice-presidente . Por meio da mulher, o general tem recebido apoio de internautas que não estão alheios a essa  guerra velada de Mourão com os filhos de Bolsonaro, especialmente Carlos .

Fonte: IG Política
Continue lendo

Política Nacional

Paulo Preto recebeu R$ 24 milhões em propina durante gestão Serra, diz delator

Publicado


Serra
Pedro França/Agência Senado – 12.7.17

Assessoria do ex-governador Serra não respondeu aos questionamentos sobre o pagamento de propina a Paulo Preto

O engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, e apontado como operador de esquemas envolvendo o PSDB, recebeu cerca de R$ 24 milhões em propina em caixas enviadas por um ex-gerente da empreiteira Delta. Isso é o que diz o próprio delator, Helvétio Rocha. 

Segundo o ex-gerente, os repasses a Paulo Preto ocorreram em razão das obras de ampliação da marginal Tietê em 2009, durante a gestão do ex-governador José Serra, em São Paulo. O pagamento foi feito tanto antes da licitação como durante a execução da obra. 

Ainda de acordo com Rocha, as caixas foram levadas pessoalmente por ele à sede da Dersa, estatal paulista que foi uma das responsáveis pelas obras.

Na época, a construção, que resultou na criação de uma nova pista na marginal, custou R$ 1,75 bilhão aos cofres públicos de São Paulo. Porém, a decisão de fazê-la foi controversa: especialistas questionavam a necessidade de uma intervenção desse porte voltada principalmente a usuários de automóvel.

Leia Também:  Ministro da Cidadania apresenta prioridades à Comissão de Cultura

As informações são do jornal Folha de S.Paulo. Segundo a reportagem, Rocha – que firmou acordo de delação premiada junto com outros executivos da empreiteira, na parte da Lava Jato que tramita na Justiça Federal do Rio de Janeiro – disse que, antes da licitação, entregou até sete caixas ao ex-diretor da Dersa

De acordo com o ex-gerente, ele sabia que havia dinheiros nas caixas (que eram equivalentes a três caixas de sapato). No entanto, Rocha não soube precisar a quantia com exatidão. Ele estimou em cerca de R$ 1 milhão cada volume.

Hoje, Paulo Preto está preso, em Curitiba. Ele está detido desde fevereiro por causa de uma ação da Lava Jato do Paraná, que investiga o PSDB. A assessoria do ex-governador e atual senador José Serra não respondeu aos questionamentos sobre o pagamento de propina.

Fonte: IG Política
Continue lendo
ouça ao vivo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana