conecte-se conosco


Esportes

Jornal diz que Lampard pode assumir Chelsea na próxima temporada

Publicado


Lampard de terno
Reprodução/Twitter

Atualmente no Derby County, Frank Lampard pode assumir o Chelsea na próxima temporada.

O Chelsea estaria negociando com um técnico para substituir Sarri após o final da temporada. E, segundo o Mirror, o nome escolhido é um velho conhecido. Isso porque, de acordo com o jornal, o clube londrino faz negociações para que Frank Lampard, maior artilheiro do clube, assuma a equipe na próxima temporada.

Leia também: Hazard acerta com o Real Madrid e será anunciado após final da Liga Europa

Apesar de ter garantido o  Chelsea na fase de grupos da Champions e ter levado a equipe à final da Liga Europa, o italiano Maurizio  Sarri  não está garantido para a próxima temporada. Por conta de seu temperamento difícil e do rendimento inconstante do clube, o treinador estaria ameaçado no cargo. 

Caso a demissão aconteça, o periódico aponta o ex-meia Frank  Lampard como provável substituto do italiano.  O Chelsea seria apenas o segundo trabalho do inglês como treinador. Atualmente, ele comanda o Derby County , time da segunda divisão inglesa que disputa na tarde de hoje(15), uma vaga na Premier League.

Leia Também:  Leonardo Gaciba assume a presidência da Comissão de Arbitragem da CBF

 Ao longo de 13 anos no  Chelsea , Lampard viu a equipe se tornar uma potência europeia. Dentre as conquistas do meia pelo time londrino estão 3 títulos da Premier League, um da Liga Europa e outro da Champions League. O inglês também é o maior artilheiro dos Blues, com 211 gols em 648 partidas.

Fonte: IG Esportes
publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Esportes

Mudado, Luverdense encara o Tombense-MG neste sábado e busca primeira vitória

Publicado

JORGE MACIEL

LEC busca primeira vitória, após quatro rodadas da Série C

O técnico Júnior Rocha fará, ao menos, três mudanças no confronto direto do Luverdense ante o Tombense neste sábado, às 16 horas, no Estádio Antônio Guimarães de Almeida, em Tombos, pela 4ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro. Os mato-grossenses amargam a lanterna do Grupo B com um ponto, a mesma pontuação dos mineiros, na penúltima colocação.

“Para esse jogo vai entrar o Everton, vai entrar o Douglas e o Balbino. São três alterações, mas os jogadores já estão adaptados, eles vêm treinando bem. Não posso desmanchar tudo, pois não está tudo errado e sim, ter um pouco de sorte em alguns momentos dos jogos, de mais atenção, concentração para que nos detalhes consigamos vence os jogos”, disse o comandante.
O Luverdense já está em solo mineiro e realizará seu último treinamento nesta sexta-feira. E para o treinador, quanto mais seu time trabalhar, mas sorte terá na divisão.
“A gente vem criando (oportunidades), mas infelizmente a bola não vem entrando. Mas é o que eu falo para eles (jogadores), eu sei que falta um pouquinho de sorte em alguns momentos, porém, quanto mais a gente trabalhar, mais vamos atrair essa sorte. (…) A gente cria oportunidade, tem o domínio do jogo, mas nesses últimos jogos fomos punidos com alguns lances que comprometeram o resultado final”, ponderou ele.
O Luverdense, além de estar na lanterna e em busca da primeira vitória, também sonha com o primeiro gol. São três tentos tomados e nenhum marcado.
“O que nós temos que fazer é se fechar mais. Todas as equipes oscilam no futebol brasileiro. Começamos o campeonato oscilando e temos que buscar nos fortalecer, reinventar e ir pra cima buscar a vitória fora de casa. Já que não conseguimos aqui, vamos buscar os três pontos fora”, finalizou.
O Luverdense deve ir a campo com Edson; Da Silva, Hélder (Lucão), Everton e Balbino; Moises, Abu, Kauê e Juninho Tardelli; Douglas e WIlson Júnior.

Leia Também:  Flamengo anuncia oficialmente acordo com família de Jhonata Ventura
Continue lendo

Esportes

Vôlei brasileiro vai bem (mal), obrigado!

Publicado


Seleção Brasileira de Vôlei em ação
DIVULGAÇÃO/ FIVB

Brasil vence Rússia de virada por 3 a 2


                    Vôlei brasileiro vai bem (mal), obrigado! O texto de hoje é do amigo Cacá Bizzocchi, jornalista e profissional do vôlei, vale a pena a leitura!  Mais sobre vôlei no Blog do Cacá Bizzocchi .

Leai também: Sidão erra e prêmio erra mais ainda

                    Enquanto a memória do torcedor de vôlei está fresca do espetáculo proporcionado por FUNVIC/Taubaté e Sesi-SP e por suas torcidas nas finais da Superliga , muita coisa está acontecendo na área de serviço. As seleções se apresentam e os torneios internacionais logo farão com que se esqueça que sem clubes não há seleções nacionais.

E o futuro dos clubes?

                    As estrelas da modalidade, mesmo diante de uma crise (mais uma) que se avizinha em período de renovação de patrocínios, ainda recebem boas propostas para defender os principais clubes brasileiros e, mesmo que estas não lhes sejam razoáveis, têm a possibilidade de migrar para mercados europeus.


Festa do Taubaté na Superliga
Reprodução/Instagram

Taubaté foi campeão da Superliga Masculina



                    O problema maior aflige aqueles que compõem os mais de 90% restantes. São os jogadores que se estabelecem entre os medianos, os mais experientes, os novatos em busca de espaço. Estes vivem uma expectativa cruel por chances que talvez nem venham. As equipes da linha de frente acenam com renovações de patrocínio, ainda que com reduções, mas os que ficaram fora das semifinais passam pelas mesmas dificuldades de anos anteriores: redução do interesse de investimentos e de valores disponíveis.

Leia Também:  Finais de Conferência da NBA começam nesta terça-feira; vote nos vencedores

Leia também: Lições da Champions League

                    Não bastasse isso, alguns dos clubes (quase metade deles) que disputaram a edição deste ano da Superliga estão devendo – alguns até cinco salários – para seus atletas e membros da comissão técnica. Outros ainda devem para quem os defendeu na temporada 2017-2018. Alguns destes parcelaram suas dívidas em 12 vezes – como se fosse possível ir ao supermercado e comprar 1/12 do que se deveria comprar ou saldar empréstimo e estouros de limites bancários com tais parcelas mais de um ano depois.

Pressão nos atletas


                     A história não acaba aqui. Para poder se inscrever na CBV para a nova temporada, os clubes devem apresentar uma declaração assinada pelos atletas de que todas as dívidas com eles estão saldadas. Para pressioná-los a assinar, alguns dirigentes afirmam que esta é a única forma de eles receberem o que lhes é devido. Assinando, eles perdem as provas jurídicas que poderiam lhes garantir receber pelo que já foi trabalhado.

Leia Também:  Bahia goleia e sai na frente do Londrina pela Copa do Brasil

Seleção Brasileira de Vôlei em ação
Divulgação/FIVB

Grupo do Brasil segue unido em busca do título mundial



                     Quem já está montando o elenco para a próxima temporada tem, com o orçamento reduzido, todas as justificativas para reduzir custos com este pessoal e jogar, diante da lei desigual da oferta e da procura, com o famoso: “se não quer, tem quem queira”. E assim, ano a ano, o esporte competitivo deixa de ser atrativo aos jovens talentos que precisam buscar seu sustento.

Quer aprender sobre a Metodologia do Treinamento do Vôlei com Cacá Bizzocchi? Clique aqui!
                      Não podemos viver sem valorizar nossos ídolos no vôlei , mas uma dúzia de ídolos não faz uma modalidade sobreviver. O pessoal do “chão da fábrica” é que faz a festa continuar.

Leia também:  começa a festa!

                      Comente: e para você, qual é o futuro do vôlei brasileiro?

Fonte: IG Esportes
Continue lendo
ouça ao vivo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana