conecte-se conosco


Política MT

Janaína classifica proposta de redução de VI como “demagogia” e acusa colega de jogar para a plateia

Publicado

Para a presidente interina da ALMT, deputado que não querer receber a verba indenizatória, pode abrir mão de recebe-la

A presidente interina da Assembleia Legislativa, deputada Janaína Riva (MDB), criticou duramente a proposta do seu colega de parlamento, o deputado Ulysses Moraes (DC), de reduzir em 50% a verba indenizatória (VI) dos deputados. Janaína foi questionada por jornalistas sobre a proposta de Moraes durante evento na Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), na manhã desta quinta-feira (16).

“Imagine se qualquer deputado hoje puder alterar como funciona a Assembleia. Imagina a bagunça que aquilo ali vai virar. É pra isso que se tem eleição do presidente, e segundo, que nenhum deputado pode dizer como o outro parlamentar vai trabalhar”, disse, argumentando que a proposta de Ulysses Moraes é totalmente inconstitucional. “Tinha que ter partido da Mesa Diretora”, afirmou.

“Isso é demagogia”, disse, questionando o porquê de o deputado querer reduzir uma vez que ele pode optar por não receber nada. “Isso, na minha opinião, é ficar jogando para a plateia. Se não quer receber, que faça a opção de não receber. Agora, ficar fazendo prestação de conta de mentirinha, e jogando para as pessoas, é muita incoerência”, disse.

Leia Também:  Tribunal de Justiça se compromete a auxiliar CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal

Para a presidente da ALMT, o deputado tem que ter autonomia para definir o que ele vai receber. “Hoje os deputados podem decidir por receber de zero até R$ 65 mil. E tem deputado que recebe R$ 3, 4, e até 10 mil que não valia nem mil reais porque não produz para isso. E tem outros que são ressarcidos de R$ 65 mil e que produz, tem uma produtividade que justifica”, argumentou.

“Acho que cada um dos deputados tinha que escolher quanto ele quer receber. Se não quer VI, abre mão da VI e faça o seu papel através das mídias. Nós estamos apresentando um substitutivo integral e os deputados vão poder optar se quer zero ou R$ 65 mil. Fica fácil jogar para a plateia e depois pedir os R$ 65 mil. A gente tem que optar e mostrar a cara, tem que ter coragem para enfrentar”, completou.

O projeto de lei de autoria do deputado estadual Ulysses Moraes (DC), prevê a redução das verbas indenizatórias pagas aos parlamentares e aos servidores de alto escalão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), e foi aprovado por 3 votos a 2 na Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária da Casa de Leis (CFAEO).

Leia Também:  Apae de Primavera do Leste cobra repasse financeiro do governo de MT

publicidade
Clique para comentar

Deixe um comentário

Please Login to comment
avatar
  Subscribe  
Notify of

Política MT

TCE aponta sobrepreço e Câmara de Cuiabá deve suspender pagamento de serviços para sessão de posse

Publicado


Empresa de eventos prestou serviços na posse da atual Mesa Diretora

Diante de indícios de sobrepreço e outras irregularidades, o presidente da Câmara de Cuiabá, Misael Galvão, deve suspender o pagamento da Nota de Empenho nº 437, de 21/12/2018, em favor da empresa Capriata de Souza Lima & Souza Ltda. A nota é referente à Compra Direta nº 036/2018, realizada para contratação de empresa de eventos para a prestação de serviços na sessão solene de posse da Mesa Diretora para o biênio 2019/2020, da Câmara Municipal de Cuiabá, no valor total de R$ 19.997,00.

A decisão é do conselheiro interino do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Luiz Henrique Lima, que determinou ainda a notificação, por meio eletrônico, do presidente da Câmara sobre a decisão, além da citação do ex-gestor, Justino Malheiros Neto; do coordenador de Licitação, Contratos e Compras, Marcelo da Costa Marques; do ex-secretário de Patrimônio e Manutenção, Walter Nei Duarte Ramos; e da ex-coordenadora de Cerimonial e Empresa Capriata de Souza Lima & Souza Ltda., Ana Paula Fernandes, sobre a representação e o julgamento singular. Foi concedido prazo de 15 dias para que eles se manifestem.

Leia Também:  Após receber as ‘bênçãos’ de Mauro, Fávaro não deve ter apoio de Jaime, caso dispute o Senado

Luiz Henrique Lima concedeu medida cautelar em Representação de Natureza Interna (Processo nº 129780/2019) proposta pela Secretaria de Controle Externo de Administração Municipal em face da Câmara Municipal de Cuiabá, na gestão do ex-presidente Justino Malheiros Neto. A representação foi instaurada após denúncia formalizada na Ouvidoria-Geral do Tribunal de Contas, que levou a equipe técnica a investigar o Processo de Compra Direta nº 036/2018, constatando sobrepreço na contratação.

O conselheiro relator acolheu os argumentos da equipe da Secex de Administração Municipal, acerca da existência de sobrepreço na contratação de tendas. Segundo os auditores, consta no Radar de Controle Público que a média de preço da diária de locação da tenda corresponde a R$ 238,43. No entanto, o equipamento foi contratado, cada um, por R$ 1.500,00, totalizando R$ 6.000,00, valor seis vezes maior que o praticado no mercado.

Também foram apontadas irregularidades na contratação de serviços de rádios receptores sem funcionamento e na contratação de serviços de dois garçons para a solenidade de posse. Segundo a equipe técnica, os serviços não foram realizados pela empresa, já que apenas um garçom da Câmara Municipal trabalhou na sessão. Também foi constatado indício de irregularidade na contratação de serviço de confecção de convites para a sessão de posse, já que o empenho da despesa ocorreu após a execução do seu objeto, colocando em dúvida se o serviço foi prestado pela empresa contratada.

Leia Também:  Apae de Primavera do Leste cobra repasse financeiro do governo de MT

A Secex também apontou que, até a data de 24/04/2019, a despesa não havia sido atestada e nem paga, mesmo já decorridos mais de três meses da realização do evento objeto da Compra Direta. O Julgamento Singular nº 559/LHL/2019 foi publicado na edição extraordinária nº 1622 do DOC de sexta-feira (17/05). A medida cautelar será apreciada e sua homologação julgada pelo Pleno do Tribunal de Contas.

Continue lendo

Política MT

PSD projeta lançar candidatos a prefeito em Cuiabá, VG e nos municípios polos do Estado

Publicado


O presidente do partido em MT, Carlos Fávaro destaca a estrutura do PSD, que conta com 26 prefeitos, 21 vice-prefeitos e 268 vereadores

O Partido Social Democrático (PSD) de Mato Grosso realiza, neste final de semana, assembleias para escolha dos membros dos diretórios municipais. Atualmente, o partido mantêm nos municípios apenas comissões provisórias em 139 dos 141 municípios mato-grossenses. As assembleias acontecerão na maioria das cidades seguindo determinação da direção nacional da sigla.

Com a composição dos diretórios, o PSD-MT se organiza para a eleição municipal de 2020. Na segunda-feira, (20), ocorrerá a eleição para os dirigentes do diretório municipal de Cuiabá, que deverá ocorrer com chapa única.

O PSD é a sigla com o segundo maior número de prefeitos atualmente no estado. São 26 prefeitos, 21 vice-prefeitos e 268 vereadores. O partido trabalha para ampliar o número de administradores municipais e manter as cidades onde os prefeitos já não podem mais concorrer a reeleição.

Para isso, pretende lançar o máximo de candidaturas próprias, incluindo a capital, Cuiabá, e cidades polos, como Várzea Grande, Sinop, Tangará da Serra, Cáceres, Barra do Garças, Alta Floresta e Rondonópolis, além de reeleger os 16 prefeitos que estão nesta condição.

“É uma determinação da direção nacional, ter candidaturas próprias em todas as capitais e nas cidades com mais de 100 mil habitantes”, explica o secretário geral do PSD, Stephano Carmo. “Nós buscamos deixar a marca do PSD de gestão. Nossos prefeitos são extremamente bem avaliados. Em uma pesquisa divulgada recentemente, dos 10 prefeitos com melhor avaliação em Mato Grosso, seis são do PSD”, diz.

Leia Também:  Governo anuncia elaboração de plano para viabilizar reabertura da Santa Casa de Cuiabá

Segundo o presidente estadual do Partido, Carlos Fávaro, outra prioridade do partido é estimular e trabalhar candidaturas femininas, tanto para prefeitas, quanto vice-prefeitas e para as Câmaras Municipais. “Já estamos trabalhando quadros para as eleições municipais. Junto com os prefeitos, traçamos as ações para o próximo pleito, que vem com um diferencial, que é o fim das coligações para proporcional”.

Fávaro ressalta ainda que PSD está cumprindo uma agenda estratégia montada por todos os membro, no intuito de deixar a sigla organizada para as eleições. “Em março realizamos um encontro onde definimos o planejamento estratégico para 2019 e 2020. O PSD tem compromisso com uma atuação que prioriza a educação, qualificando e transformando a vida das pessoas, além da saúde de qualidade a todos os cidadãos. Além desses temas, temos discutido com nossos membros assuntos estratégicos para o desenvolvimento econômico de Mato Grosso e dos municípios mato-grossenses, como logística, agronegócio, entre outros assuntos”, explica Fávaro.

A direção estadual da sigla aponta que a composição dos diretórios municipais trará mais autonomia, liberdade e segurança jurídica aos filiados a legenda, para que possam trabalhar melhor a condução do processo eleitoral no próximo ano, a escolha dos candidatos, “considerando a tendência de cada município, os melhores nomes, qual cidade terá candidatura própria ou terá composição”, diz o secretário geral.

Leia Também:  Tribunal de Justiça se compromete a auxiliar CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal

Stephano lembra que o PSD faz parte da base que elegeu o governador Mauro Mendes em 2018 e que isto também deve ser considerado para as composições para o pleito municipal. “Importante os partidos e seus membros estarem alinhados com o sentimento das ruas e os anseios da população. O PSD, através do presidente Fávaro, tem buscado diariamente esse alinhamento”.

As próximas eleições municipais trazem duas novidades, uma é o uso do Fundo Partidária, que começou nas eleições gerais de 2018. Com o fundo, os diretórios regionais terão mais condições e recursos de ajudarem os diretórios municipais.

Outra novidade, que será um desafio aos partidos, é o fim das coligações nas candidaturas a vereador. As coligações poderão ser feitas apenas para majoritária, isto é, apenas para candidatura a prefeito. Para as Câmaras, cada legenda terá que concorrer sozinha. Com isto, a tendência é que partidos pequenos irão desaparecer.

Continue lendo
ouça ao vivo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Esportes

Entretenimento

Mais Lidas da Semana